segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Uma página do diário de Camões


1 de agosto de 1568

Querido Diário…

Hoje sinto-me triste, talvez um pouco nostálgico, não sei bem. Em conversa com o meu grande amigo, Diogo Cão, ele fez-me uma pergunta que me deixou bastante pensativo. “Afinal, que rumo queres para a tua vida?”, perguntou-me ele. Sempre amei ser livre. Não ter que dar justificações a ninguém, não me prender a nenhuma mulher e muito menos aturar choros de criancinhas irritantes. Viajar para onde quisesse sem a preocupação de ter uma data para voltar. Basicamente, viver para mim e só para mim. Mas agora pergunto-me onde é que isso me levou. Sou um homem solitário, conto pelos dedos das mãos os amigos que tenho e de família só me resta uma tia, à qual nem sou muito ligado.

Sempre pensei que este estilo de vida fosse um aspeto positivo na minha vida mas, agora, com o passar dos anos, as minhas ideias começam a alterar-se um pouco. Conheço muitas pessoas sou muito bem relacionado, mas, ao fim do dia, quando deito a cabeça na almofada, não tenho ninguém. Ninguém para me aconchegar, para desabafar ou, simplesmente, para ouvir.

Hoje, passados anos de desapego, e talvez até de um pouco de desprezo pelas pessoas que realmente gostavam de mim, arrependo-me. Arrependo-me de não lhes ter dado o devido valor, de não ter constituído uma família. Graças a isso, hoje sou um solitário incapaz de amar, com os pés já virados para a cova, sem ninguém, a não ser o meu fiel amigo, o meu gato, que já me acompanha há muito tempo. Mas que posso eu fazer?!

Cátia Rodrigues – 12º LH1

Sem comentários:

Enviar um comentário